NotíciasINSS

Paguei a contribuição em atraso, mas ela NÃO FOI reconhecida pelo INSS: e agora?

Nem sempre pagar a contribuição em atraso do INSS pode gerar benefícios, pois o instituto pode não reconhecer o ato.

A questão das contribuições em atraso e sua consideração pelo INSS é um tema de grande relevância para advogados previdenciaristas e segurados.

Recentemente, surgiram diversas dúvidas e controvérsias sobre como o INSS está tratando essas contribuições, especialmente após mudanças na legislação previdenciária.

A seguir, entenda os principais pontos sobre essa questão, destacando as implicações legais e práticas para os segurados que se encontram nessa situação.

A compreensão adequada desse tema é essencial para garantir que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados e que eles possam acessar os benefícios previdenciários a que têm direito.

Estava devendo contribuição em atraso ao INSS, pagou e não deu em nada? Entenda!
Estava devendo contribuição em atraso ao INSS, pagou e não deu em nada? Entenda! / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / beneficiodoidoso.com.br

O problema da contribuição em atraso do INSS

A situação começa quando um segurado, ao fazer um planejamento previdenciário, identifica a necessidade de pagar contribuições em atraso para se enquadrar em regras de transição ou adquirir direitos previdenciários.

Muitas vezes, esses pagamentos são essenciais para que o segurado possa cumprir os requisitos necessários para a aposentadoria ou outros benefícios.

No entanto, a surpresa negativa surge quando o INSS decide não considerar essas contribuições, negando o benefício solicitado.

Essa decisão é baseada em comunicados internos e mudanças regulatórias recentes, que têm gerado confusão e frustração entre os segurados e advogados.

O problema foi intensificado após a alteração do Decreto 10.410/2020, que regulamenta a Previdência Social.

Segundo o deputado Padovani, a nova regra estabeleceu que as contribuições em atraso, especialmente aquelas referentes a períodos anteriores à Reforma da Previdência, não seriam consideradas para fins de carência e tempo de contribuição nas regras de transição.

Isso afeta diretamente segurados que, por algum motivo, deixaram de contribuir em determinados períodos, mas que pretendem regularizar sua situação com o INSS.

Essa mudança trouxe um impacto significativo, pois muitos segurados passaram a enfrentar dificuldades para obter seus benefícios, mesmo tendo efetuado os pagamentos devidos.

A justificativa do INSS é que as contribuições em atraso não são válidas para contagem de carência ou tempo de contribuição, conforme os novos regulamentos.

Contudo, essa interpretação tem sido contestada por advogados e especialistas, que argumentam que não há base legal clara para essa exclusão, e que a contribuição regularizada deveria ser considerada, desde que o segurado comprove a atividade remunerada no período em questão.

Veja mais: Aposentadoria por Idade: Critérios do INSS para Garantir seu Benefício

O que fazer se minha contribuição em atraso foi paga, mas não reconhecida?

A contestação dessa interpretação do INSS baseia-se na ausência de previsão legal específica que impeça a consideração das contribuições em atraso.

Os advogados previdencialistas argumentam que, ao pagar as contribuições em atraso, o segurado está regularizando sua situação junto ao sistema previdenciário, e não há prejuízo para a autarquia, já que os valores são corrigidos e atualizados.

A falta de previsão clara na legislação ou nos regulamentos sobre a exclusão dessas contribuições reforça a argumentação de que o INSS está adotando uma postura indevida.

Além disso, o comunicado interno do INSS que instrui os servidores a desconsiderar essas contribuições não tem força de lei ou poder normativo. Isso significa que as decisões baseadas nesse comunicado podem ser contestadas judicialmente.

Os tribunais têm sido um campo de batalha importante para essa questão, com algumas decisões favoráveis aos segurados.

Um exemplo é o precedente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que em um mandado de segurança determinou a consideração das contribuições em atraso para fins de benefício.

Os advogados também têm utilizado ações ordinárias previdenciárias para contestar as decisões do INSS.

Nessas ações, argumenta-se que o pagamento em atraso, desde que dentro do prazo decadencial de cinco anos e com comprovação de atividade, deve ser aceito.

A luta nos tribunais é fundamental para estabelecer um entendimento claro e garantir que os segurados não sejam prejudicados por interpretações administrativas que extrapolam o texto da lei.

Veja mais: Como saber se minha aposentadoria JÁ caiu? Aprenda a CONSULTAR o extrato de pagamento do INSS rapidamente

Fique atento às regras!

O impacto dessas decisões administrativas e judiciais é profundo, tanto para os segurados quanto para os advogados que os representam.

A incerteza sobre a consideração das contribuições em atraso exige uma preparação minuciosa dos casos e uma constante atualização sobre as decisões judiciais.

A tendência é que mais segurados e advogados recorram ao judiciário para garantir seus direitos, o que pode levar a um aumento no volume de processos e na necessidade de precedentes claros e consistentes.

No longo prazo, espera-se que a pressão judicial e a advocacia de classe possam resultar em mudanças normativas que esclareçam definitivamente a questão.

A criação de diretrizes claras e justas para a consideração das contribuições em atraso é essencial para a segurança jurídica e para a proteção dos direitos dos segurados.

A transparência e a coerência nas regras previdenciárias são fundamentais para evitar conflitos e garantir que todos os trabalhadores possam planejar seu futuro com confiança.

Veja mais: Pagamento do 14º salário FINALMENTE será discutido? Veja COMO funciona a proposta que garante uma parcela EXTRA para segurados do INSS

Contribuição Concomitante: Como Isso Pode Aumentar sua Aposentadoria

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) esclarece que a contribuição concomitante ocorre quando trabalhadores fazem contribuições previdenciárias em dois ou mais empregos simultaneamente.

Esta modalidade pode aumentar o valor da aposentadoria, mas é essencial seguir as regras estabelecidas. Em 2023, cerca de 32 milhões de brasileiros estavam em dois empregos, sendo elegíveis para essa contribuição.

O INSS estabelece um teto anual de R$ 7.786,02 para essas contribuições; valores que excederem este limite não serão considerados no cálculo dos benefícios, resultando em possíveis perdas financeiras.

Para evitar descontos desnecessários, os trabalhadores devem informar seus empregadores sobre sua situação financeira, garantindo que a contribuição não ultrapasse o teto.

Se as contribuições excederem o limite, é possível solicitar a devolução do valor excedente referente aos últimos cinco anos através do site da Receita Federal.

Essa modalidade é válida para empregados formais e contribuintes individuais, incluindo Microempreendedores Individuais (MEIs).

Nicole Ribeiro

Formada em Letras - Português pela Universidade do Estado de Minas Gerais, redatora freelancer e revisora de artigos e textos acadêmicos. Apaixonada por gatos e pelo conhecimento.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo