NotíciasBenefícios

ACABOU O PRAZO! O que muda para o benefício por incapacidade temporária SEM a prorrogação automática?

A prorrogação automática do benefício por incapacidade temporária terminou no último dia 1º.

A recente mudança na política do INSS referente à prorrogação automática de benefícios temporários promete impactar significativamente os beneficiários a partir de julho de 2024.

A nova regulamentação estipula que os beneficiários precisarão passar por perícias médicas nas agências do INSS para manterem seus benefícios, uma mudança que gera dúvidas e preocupações entre os segurados.

A seguir, entenda essas novas exigências, detalhando como elas funcionarão e quais são as implicações práticas para os beneficiários.

Agora não é mais possível pedir a prorrogação automática do benefício? Entenda.
Agora não é mais possível pedir a prorrogação automática do benefício? Entenda. / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / beneficiodoidoso.com.br

Fim da prorrogação automática de benefícios temporários

A partir de 1º de julho de 2024, a prorrogação automática de benefícios temporários como auxílio-doença e auxílio-acidente foi oficialmente encerrada.

Anteriormente, os beneficiários podiam ter seus benefícios prorrogados sem a necessidade de uma nova perícia médica.

No entanto, com a nova regulamentação, todos os beneficiários que desejarem estender esses benefícios precisarão agendar e passar por uma perícia médica nas agências do INSS.

Esta mudança foi confirmada pelo ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, e visa assegurar que os benefícios estão sendo pagos apenas a quem realmente necessita.

Como agendar as perícias?

O processo para agendar essas perícias pode ser feito através do site Meu INSS ou pela central de atendimento 135.

É importante ressaltar que esta nova exigência de perícia não está relacionada ao pente-fino que será iniciado no mesmo mês, mas sim a uma revisão regular para manter a conformidade dos benefícios concedidos.

A mudança visa evitar fraudes e garantir que os recursos sejam utilizados corretamente, mas também pode representar um desafio para muitos beneficiários, especialmente aqueles em estados com maior demanda por serviços do INSS.

Saiba mais: INSS: Mudanças Recentes e Como Elas Impactam os Idosos

Implicações da nova exigência de perícia médica

Com a nova exigência, o prazo mínimo para passar por uma perícia médica pode variar significativamente, dependendo da localização do segurado.

Em alguns estados, os beneficiários podem conseguir agendar uma perícia em até 60 dias, enquanto em outros, o tempo de espera pode chegar a um ano.

Esta variação de prazos pode gerar preocupações adicionais para os segurados que dependem desses benefícios para sustentar suas famílias.

A nova política pode impactar diretamente a saúde e o bem-estar dos beneficiários que, em muitos casos, já enfrentam desafios significativos devido às suas condições de saúde.

A necessidade de deslocamento até uma agência do INSS e a espera por uma perícia médica podem agravar ainda mais a situação desses indivíduos.

Por isso, é fundamental que os beneficiários se preparem com antecedência, agendando suas perícias o mais rápido possível para evitar interrupções no recebimento de seus benefícios.

Além disso, a nova política pode aumentar a demanda por perícias médicas, pressionando ainda mais o sistema do INSS.

Isso pode resultar em atrasos adicionais e maiores dificuldades para os segurados que precisam comprovar a continuidade de suas condições de saúde para manterem seus benefícios.

O INSS precisará garantir que tem capacidade operacional suficiente para lidar com esse aumento de demanda, evitando assim prejudicar os beneficiários.

Veja mais: Quais profissões podem se aposentar com DOIS benefícios ao MESMO tempo? Se surpreenda!

O futuro dos benefícios temporários no INSS

Com a implementação dessas novas regras, é esperado que ocorra uma mudança significativa na forma como os benefícios temporários são gerenciados e distribuídos.

Os beneficiários precisarão estar mais atentos às suas condições de saúde e ao processo de agendamento de perícias para garantir que seus benefícios não sejam interrompidos.

Esta nova exigência pode levar a um maior rigor no controle e na distribuição dos benefícios, visando reduzir fraudes e assegurar que apenas aqueles que realmente necessitam recebam o auxílio.

No entanto, é crucial que o INSS ofereça suporte adequado aos beneficiários durante essa transição.

Orientações claras sobre como agendar perícias, bem como informações detalhadas sobre os prazos e os documentos necessários, são essenciais para evitar confusões e atrasos.

O INSS também deve considerar medidas para agilizar o processo de perícias em estados com alta demanda, reduzindo assim o tempo de espera e minimizando o impacto negativo sobre os beneficiários.

Auxílio-doença transformado em aposentadoria: como saber?

Para saber se o auxílio-doença foi transformado em aposentadoria por invalidez, o segurado deve prestar atenção aos resultados das perícias médicas do INSS.

A conversão não é automática e depende de avaliação médica que confirme a incapacidade permanente para o trabalho. Se a incapacidade for comprovada, o benefício passa a ser vitalício, com revisões periódicas.

O valor da aposentadoria é calculado em 60% da média dos salários de contribuição, com acréscimo de 2% por ano de atividade além dos 20 anos para homens e 15 anos para mulheres.

Manter a documentação médica atualizada e acompanhar o status do benefício pelo aplicativo Meu INSS é essencial para garantir seus direitos previdenciários.

Entenda o Auxílio-Acidente e Seus Benefícios

O Auxílio-Acidente é um benefício indenizatório pago pelo INSS aos segurados que, devido a um acidente, sofrem sequelas permanentes que reduzem sua capacidade de trabalho. Este benefício não impede o segurado de continuar trabalhando.

Para ter direito, é necessário comprovar qualidade de segurado na época do acidente, filiação como empregado urbano/rural, trabalhador avulso ou segurado especial.

Não há período de carência. A solicitação deve ser feita através da central 135, seguida de perícia médica. Documentos como CPF, RG e relatórios médicos são necessários.

O benefício encerra-se com a aposentadoria, solicitação de Certidão de Tempo de Contribuição, ou óbito. É garantido o direito a acompanhante durante a perícia, se solicitado. Em caso de dúvidas, o INSS disponibiliza atendimento pelo telefone 135.

INSS: Novas Regras de Aposentadoria em 2024

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) introduziu importantes mudanças nas regras de aposentadoria em 2024. Agora, não há mais idade mínima para aposentadoria por tempo de contribuição.

Mulheres podem se aposentar com 30 anos de contribuição e homens com 35 anos, sem necessidade de idade mínima.

Além disso, a nova fórmula de cálculo 86/96 foi implementada, onde a soma da idade e do tempo de contribuição deve totalizar 86 pontos para mulheres e 96 para homens.

Essa alteração visa tornar a distribuição das aposentadorias mais justa. Ferramentas online do INSS estão disponíveis para cálculos e simulações, sendo recomendado também consultar um profissional especializado para orientações personalizadas.

Manter-se atualizado sobre essas mudanças é essencial para garantir uma aposentadoria tranquila e de acordo com suas contribuições.

Nicole Ribeiro

Formada em Letras - Português pela Universidade do Estado de Minas Gerais, redatora freelancer e revisora de artigos e textos acadêmicos. Apaixonada por gatos e pelo conhecimento.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo